21.12.11

prescious things



We have all the time in the world

We have all, the time in the world

Time enought for life

To unfold

All the prescious things

Love has in store


We have all the love in the world

If that's all we have

You will find

We need nothing more



Every step of the way

Will find us

With the cares of the world

Far behind us


We have all the time in the world

Just for love

Nothing more

Nothing less

Only love



Every step of the way

Will find us

With the cares of the world

Far behind us

Yes


We have all the time in the world

Just for love

Nothing more

Nothing less

Only love



Only love

"We Have All The Time In The World"

(Hal David/John Barry)



Louis Armstrong
download MP3



20.12.11

"Sweet Kiwi"


Fiona Pardington, Sweet Kiwi,
- Kai Tahu, Kati Mamoe, Kati Waewae. New Zealander 1961–

from the collection ‘Whanganui Museum’ 2008




Livros

Marguerite Yourcenar (8 June 1903 – 17 December 1987)

O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que se lançou pela primeira vez um olhar inteligente sobre si próprio: as minhas primeiras pátrias foram os livros.
Marguerite Yourcenar - Memórias de Adriano

.

As andorinhas não têm restaurante...


PELA UTOPIA, SEMPRE!




"ELES NÃO SABEM QUE O SONHO É UMA CONSTANTE DA VIDA TÃO CONCRETA E DEFINIDA COMO OUTRA COISA QUALQUER..."


19.12.11

because Life's too short



"Remember what you have seen, because everything forgotten returns to the circling winds."

- Navajo Wind Chant


da viagem do elefante


Good trip!



Auto-retrato


O'Neill (Alexandre), moreno
português,
cabelo asa de corvo; da angústia da cara,
nariguete que sobrepuja de través
a ferida desdenhosa e não cicatrizada.
Se a visagem de tal sujeito é o que vês
(omita-se o olho triste e a testa iluminada)
o retrato moral também tem os seus quês
(aqui, uma pequena frase censurada...)
No amor? No amor crê (ou não fosse ele ONeill!)
e tem a veleidade de o saber fazer
(pois amor não há feito) das maneiras mil
que são a semovente estátua do prazer.
Mas sobre a ternura, bebe de mais e ri-se
do que neste soneto sobre si mesmo disse...

Alexandre O'Neill

Alexandre Manuel Vahía de Castro O'Neill
(Lisboa, 19 de Dezembro de 1924 - Lisboa, 21 de Agosto de 1986)



Fernando Lemos - Alexandre O’Neill, 1949

Memória de José Dias Coelho


A José Dias Coelho, pintor e escultor, militante comunista,
assassinado pela PIDE faz hoje 50 anos!
(tinha 38 anos...)



download MP3

A Morte Saiu À Rua

A morte saiu à rua num dia assim
Naquele lugar sem nome pra qualquer fim
Uma gota rubra sobre a calçada cai
E um rio de sangue dum peito aberto sai

O vento que dá nas canas do canavial
E a foice duma ceifeira de Portugal
E o som da bigorna como um clarim do céu
Vão dizendo em toda a parte o pintor morreu

Teu sangue, Pintor, reclama outra morte igual
Só olho por olho e dente por dente vale
À lei assassina à morte que te matou
Teu corpo pertence à terra que te abraçou

Aqui te afirmamos dente por dente assim
Que um dia rirá melhor quem rirá por fim
Na curva da estrada há covas feitas no chão
E em todas florirão rosas duma nação

José Afonso

18.12.11


Lucien Aigner | Montparnasse Café (1930's)

MESA DE CAFÉ 



Amigos e cerveja é a minha tarde.

A noite alinha-me os ossos. 

Não fica, de tudo o que arde,

Mais do que uns tantos destroços. 



Alguém pintaria a mesa:

Eu prefiro levantar-me.

A minha vida está presa 

A outra espécie de charme. 



Vitorino Nemésio (1901 – 1978) 
Canto de Véspera (1966)

Fotografia
Roger Mayne | Man in a Pub (London, 1958)


Daqui Desta Lisboa

16.12.11

o tabaco da vida

coffee and cigarettes


Desiludidos? Paciência, amigos... Bebamos mais, fumemos, refumemos,


O TABACO DA VIDA


De amor cantando,
sem nele demasiado acreditar,
dei a volta ao coração (demorei anos):
está só - mas sem nenhuma vontade de parar...

Desiludidos? Paciência, amigos...
Bebamos mais, fumemos, refumemos,
entre as mulheres, o tabaco e a vida.
Como cedilhas pendurados que felizes seremos,

exemplares cretinos nesta noite comprida...

Alexandre O'Neill, "Poesias Completas" assírio & alvim, 2000

"Graveagudo"


Alexandre O'Neill, "Graveagudo", 1970

14.12.11

vícios

Hunter S. Thompson at the Miami Book Fair International of 1988

"Nem todos estão à vontade com a ideia de que a política é um vício. Mas é.
Eles são viciados e mentem e enganam e roubam como fazem todos os junkies."
Hunter Stockton Thompson

A Rosa do Mundo

Hunter S. Thompson, Sandy and Agar, Big Sur, California 1961



Ai, doce pensamento meu,
quando me levarás onde te envio eu!

Anónimo, Romancero General (Espanha início sec. XVII)
Rosa do Mundo, Trad. José Bento, Assirio e Alvim



...because Life's too short



Don Cherry & Ed Blackwell - El Corazón 1982

Death trip

Letter from Laura Huxley to Julian Huxley 16 days after Aldous Huxley’s death

Then I don’t know exactly what time it was, he asked for his tablet and wrote, “Try LSD 100 intramuscular.” Suddenly something became very clear to me. I knew that we were together again after this torturous talking of the last two months. I knew then, I knew what was to be done. I went quickly into the cupboard in the other room where Dr. Bernstein was, and the TV which had just announced the shooting of Kennedy. I took the LSD and said, “I am going to give him a shot of LSD, he asked for it.”

The doctor had a moment of agitation because you know very well the uneasiness about this drug in the medical mind. Then he said, “All right, at this point what is the difference.” Whatever he had said, no “authority,” not even an army of authorities could have stopped me then. I went into Aldous’ room with the vial of LSD and prepared a syringe. The doctor asked me if I wanted him to give him the shot—maybe because he saw that my hands were trembling.

His asking me that made me conscious of my hands, and I said, “No I must do this.” I quieted myself, and when I gave him the shot my hands were very firm. Then, somehow, a great relief came to us both. I believe it was 11:20 when I gave him his first shot of 100 microgrammes. I sat near his bed and I said, “Darling, maybe in a little while I will take it with you. Would you like me to take it also in a little while?” I said a little while because I had no idea of when I should or could take it, in fact I have not been able to take it to this writing because of the condition around me. And he indicated “yes.”

We must keep in mind that by now he was speaking very, very little. Then I said, “Would you like Matthew to take it with you also? And he said, “Yes.” “What about Ellen?” He said, “Yes.” Then I mentioned two or three people who had been working with LSD and he said, “No, no, basta, basta.” Then I said, “What about Jinny?” And he said, “Yes,” with emphasis. Then we were quiet. I just sat there without speaking for a while.

After half an hour, the expression on his face began to change a little, and I asked him if he felt the effect of LSD, and he indicated no. Yet, I think that a something had taken place already. This was one of Aldous’ characteristics. He would always delay acknowledging the effect of any medicine, even when the effect was quite certainly there, unless the effect was very, very stong he would say no.

Now, the expression of his face was beginning to look as it did every time that he had the moksha medicine, when this immense expression of complete bliss and love would come over him. This was not the case now, but there was a change in comparison to what his face had been two hours ago. I let another half hour pass, and then I decided to give him another 100 mg. I told him I was going to do it, and he acquiesced. I gave him another shot, and then I began to talk to him. He was very quiet now; he was very quiet and his legs were getting colder; higher and higher I could see purple areas of cynosis.

Then I began to talk to him, saying, “Light and free,” Some of these thing I told him at night in these last few weeks before he would go to sleep, and now I said it more convincingly, more intensely—“go, go, let go, darling; forward and up. You are going forward and up; you are going towards the light. Willing and consciously you are going, willingly and consciously, and you are doing this beautifully; you are doing this so beautifully —you are going towards the light; you are going towards a greater love; you are going forward and up. It is so easy; it is so beautiful. You are doing it so beautifully, so easily. Light and free. Forward and up. You are going towards Maria’s love with my love. You are going towards a greater love than you have ever known. You are going towards the best, the greatest love, and it is easy, it is so easy, and you are doing it so beautifully.”

Once I asked him, “Do you hear me?” He squeezed my hand. He was hearing me. I was tempted to ask more questions, but in the morning he had begged me not to ask any more question, and the entire feeling was that things were right.

Later on I asked the same question, but the hand didn’t move any more. Now from two o’clock until the time he died, which was five-twenty, there was complete peace except for once. That must have been about three-thirty or four, when I saw the beginning of struggle in his lower lip. His lower lip began to move as if it were going to be a struggle for air. Then I gave the direction even more forcefully.

“It is easy, and you are doing this beautifully and willingly and consciously, in full awareness, in full awareness, darling, you are going towards the light.” I repeated these or similar words for the last three or four hours.

Once in a while my own emotion would overcome me, but if it did I immediately would leave the bed for two or three minutes, and would come back only when I could dismiss my emotion. The twitching of the lower lip lasted only a little bit, and it seemed to respond completely to what I was saying. “Easy, easy, and you are doing this willingly and consciously and beautifully—going forward and up, light anf free, forward and up towards the light, into the light, into complete love.” The twitching stopped, the breating became slower and slower, and there was absolutely not the slightest indication of contraction, of struggle. it was just that the breathing became slower—and slower—and slower, and at five-twenty the breathing stopped.

–8 December 1963

o silêncio dos livros



"Who are we, if not a combination of experiences, information, books we have read, things imagined? Each life is an encyclopaedia, a library, an inventory of objects, a series of styles, and everything can be constantly reshuffled and reordered in every conceivable way."


- Italo Calvino - Six Memos for the Next Millennium



13.12.11

Jean-Paul Belmondo

Fumar à grande e à francesa



Bakunin por Nadar

Deus e o Estado

Михаил Александрович Бакунин - Mikhail Aleksandrovich Bakunin, 1814-1876
photo : Felix Nadar

Johann Kaspar Schmidt





“The poor are to blame for the existence of rich men.”
Max Stirner
desenho de Friedrich Engels
.

Utopia

Lisboa
Fotografia de Gonçalo Franco


"A utopia com que sempre sonhei pode efectivamente concretizar-se."
José Afonso no espectáculo do Coliseu, antes de cantar "Utopia"
.
Cidade
Sem muros nem ameias
Gente igual por dentro
gente igual por fora
Onde a folha da palma
afaga a cantaria
Cidade do homem
Não do lobo mas irmão

Capital da alegria
Braço que dormes nos braços do rio
Toma o fruto da terra
É teu a ti o deves
lança o teu
desafio
Homem que olhas nos olhos
que não negas
o sorriso
a palavra forte e justa

Homem para quem o nada disto
custa

Será que existe
lá para os lados do oriente
Este rio
este rumo
esta gaivota

Que outro rumo deverei seguir
na minha rota?

José Afonso : "Como se fora seu filho", de 1983
"textos e canções", Assírio e Alvim, 1983

Contou-me a própria vida

Fotografia de Martin Munkacsi - 1935

E esse segredo contou-me a própria vida:
Veja!, eu sou aquela que deve sempre superar-se.

F. W. Nietzsche, em Zaratustra

.

12.12.11

Há sempre cartas a jogar

António Alves Redol
(Vila Franca de Xira, 29 de Dezembro de 1911 – Lisboa, 29 de Novembro de 1969)

"Nem todos os homens merecem a mesma sepultura, essa é verdade, por muito que doa aos vivos - disse pela boca de uma das suas personagens — "Na morte não somos, não, não somos todos iguais". Ele bem o sabia, ele que também afirmava: “Há sempre cartas para jogar. Menos a da morte. Percebes?” É perante a morte que um homem se define. António Alves Redol morreu como viveu, com uma discreta grandeza.

No quarto do hospital onde se encontrava internado, desconhecendo exactamente o mal que o consumia, mas sabendo já que pouco tempo teria para viver, Alves Redol lutou sozinho. Só nas últimas noites permitiu que alguém de mais íntimo ficasse junto de si. O seu rosto vincado não fugiu à morte. Apenas julgou poder não acreditar nela.
Morreu Alves Redol, amigos. Morreu um homem. Acompanhamo-lo no seu último passeio, rio acima, marginando o Tejo que ele não voltará a ver, parando nas vilas ribeirinhas, a recolher a última homenagem da gente da beira-mar. Moscavide, Sacavém, Alhandra, Vila Franca de Xira. No pequeno cemitério do alto da colina, batida pelo vento, o seu corpo desceu à terra. Fazia sol, como sublinhou o seu companheiro poeta. Fazia sol, fazia, mas fazia também um frio terrível, que nos doeu o corpo e a alma.
Que tristeza tamanha, amigo! Funda, como o silêncio que encheu as ruas da vila, silenciosa como as lágrimas do velho campino que o conheceu rapaz e agora o viu desaparecer, lívida como os rostos das mulheres que assomavam às janela e às portas para lhe dizer o derradeiro adeus.
Gostava de lhe ter levado um cravo vermelho. Não o fiz. Por pudor, por timidez. Mas gostava, António, palavra que gostava

Maria Antónia Palla, Século Ilustrado, nº1967, Dezembro de 1969

Rua dos dias que voam

.

Lei da Vida

São as palavras que nos contêm...


«Raul Brandão, que nasce (1867) na Foz do Douro e vive longos anos em Guimarães (cidade que viria a inspirar-lhe Húmus), morreu no dia cinco de Dezembro de 1930 em Lisboa, escravo até ao fim da «palavra»:

"Vivemos de palavras. Vamos até à cova com palavras. Submetem-nos, subjugam-nos. Pesam toneladas, têm a espessura de montanhas. São as palavras que nos contêm, são as palavras que nos conduzem".

Fonte: aqui

11.12.11




Porque não sei como dizer-te sem milagres
que dentro de mim é o sol, o fruto, a criança, a água, o deus, o leite, a mãe, o amor, que te procuram.
Herberto Helder 


Conhecem este cogumelo?





Lindo, não é? Trata-se do Amanita muscaria, conhecido como agário-das-moscas ou mata-moscas é um fungo basidiomiceto natural de regiões com clima boreal ou temperado do hemisfério norte. Possui propriedades psicoactivas e alucinógenas em humanos. O componente activo é o ácido ibotêmico. O pesquisador Robert Gordon Wasson, no seu livro Soma - Divine Mushroom of Immortality, sugeriu que o cogumelo está associado ao Soma, bebida sagrada dos Vedas, os mais antigos textos religiosos. A bebida é citada nos hinos do Rigveda, que foi escrito por volta de 1700 a.C. - 1100 a.C., durante o período védico em Punjabe - onde havia a presença de tais cogumelos, consumidos pelos xamãs da região.

Na cultura popular, cogumelos vermelhos com pontos brancos, como o Amanita muscaria, aparecem, por exemplo, no jogo Super Mario Bros., no filme Fantasia da Disney de 1940 e nas ilustrações do livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, em que Alice aparece conversando com uma lagarta que está estendida sobre um Amanita muscaria enquanto fuma um narguilé, em visível insinuação psicadélica.

alice maravilhas


Qual o significado do nome Alice? (referências encontradas pela net)

do grego - Alethia, a verdadeira, autêntica, a que não conhece a mentira , e no diminuitivo Elci, Elsa, Elza, Ciléia, Ciléa
na origem fenício-cartaginês: ELIZAH, e que aparece em francês, ÉLIZE

dizem que as pessoas que levam este nome são extremamente sinceras mesmo quando isso lhe pode custar uma amizade. têm também o dom da liderança. por isso, não gosta de trabalhar para os outros. e se tiver que trabalhar, prefere exercer uma profissão liberal ou então montar a própria empresa (fixe)

mas apesar do desprezo pelas mentiras e dissimulações, ALICE é um anagrama de CELIA – ou seja, “uma outra pessoa” ...hummm!!!

Alice: é como se lê na abreviação L.C (el ci) em inglês....de Lewis Carrol, que usou a pronúncia da abreviatura para criar a personagem de "Alice no país das maravilhas" :-) ...é o que dizem ...!!!!

**
mas não foram estas as razões que deram o nome ao blog, chama-se Alice maravilhas porque a minha afilhada se chama maravilhosamente Alice Violeta e também não foi por estas razões que lhe chamaram Alice, eu chamei-lhe Violeta, a mãe após o parto, espantada e ainda com o mar nos olhos chamou-lhe Alice assim que a viu. o casamento foi perfeito.

.

"Follow the white Rabbit"

'siga o coelho branco'

como muitos provavelmente sabem e já adivinharam, "Follow the white Rabbit" não é uma alusão a Matrix, o filme, mas sim a Alice no País das Maravilhas. enquanto as princesas das outras histórias vivem melancólicas à espera de um príncipe encantado, a Alice de Lewis Carroll, ainda que em sonho, não hesita em ir atrás daquele coelho branco e viver uma aventura.

e porque a saga de Alice se perpetua pelos dias, que tal ousar? inteligência e ousadia
não leve a vida tão a sério, mergulhe na toca do coelho ... isso sim, é uma coisa séria




Follow the White Rabbit - Yaron Herman Trio - MP3

"A viagem do elefante"


Shel Silverstein

10.12.11

A la bella Simonetta




a musa de botticelli era simonetta cattaneo de vespucci, esposa de marco vespucci (primo distante de americo vespucci) cortejada por guiliano de médici, irmão mais novo de lorenzo. eles a chamavam de “la bella simonetta”. ela morreu cedo, aos 22 anos, provavelmente de tuberculose. botticelli levou alguns anos após a sua morte para conseguir terminar o quadro (1482) - o nascimento de vênus. numa era em que os temas católicos dominavam a maioria das obras de arte, a vênus é notadamente pagã. é um milagre que esta pintura tenha escapado das garras de savonarola, o zeloso e fanático frei dominicano que propôs e incentivou nessa época que se queimassem todos os livros e toda arte que representasse um sacrilégio ao pensamento cristão. botticelli pintou a deusa vênus, saindo do mar, colocando a sua musa de frente e no centro da pintura, uma heresia para a época. mas a verdadeira arte é corajosa e sempre vence toda a forma de opressão.

afinidades eletivas
.

9.12.11

Vicios privados : Robert Doisneau


Photographers Robert Doisneau (left) and fellow photographer André Kertész, during a talk in Southern France, 1975
by Wolfgang H. Wögerer, at Arles.


Follow by email