21.11.17

Son los ríos


Somos el tiempo. Somos la famosa
parábola de Heráclito el Oscuro.
Somos el agua, no el diamante duro,
la que se pierde, no la que reposa.
Somos el río y somos aquel griego
que se mira en el río. Su reflejo

cambia en el agua del cambiante espejo,
en el cristal que cambia como el fuego.
Somos el vano río prefijado,
rumbo a su mar. La sombra lo ha cercado.

Todo nos dijo adiós, todo se aleja.
La memoria no acuña su moneda.
Y sin embargo hay algo que se queda
y sin embargo hay algo que se queja.


São os rios
Somos o tempo. Somos a famosa
parábola de Heraclito o Obscuro.
Somos a água e não o diamante duro,
a que se perde, não a que repousa.
Somos o rio e somos aquele grego
que se olha no rio. A sua visagem
muda na água da mutável imagem,
no vidro que muda como o fogo.
Somos o vão rio determinado,
rumo ao seu mar, pela sombra cercado.
Tudo nos diz adeus, tudo nos deixa.
A memória não cunha moeda.
E contudo há algo que se queda
e contudo há algo que se queixa.
Jorge Luis Borges - Os Conjurados
ed. Difel 1985



9.11.17

Auf Den Marmorklippen




Todos conheceis a intratável melancolia que se apodera de nós ao recordarmos tempos felizes. Estes, porém, pertencem irrevogavelmente ao passado,e deles nos separa a mais impiedosa das distâncias.
… … …
Parece-nos então que não tomámos ainda a medida plena da vida e do amor, mas não há arrependimento que traga de volta a oportunidade perdida. Pudesse este sentimento servir-nos de lição, em cada instante de felicidade!
E mais doce ainda é a recordação dos dias e das noites que nos couberam em sorte, quando um terror súbito lhes veio pôr cobro. Pois só então compreendemos como para nós, homens, representa um feliz acaso o ser-nos dado viver nas nossas pequenas comunidades, sob um telhado protector, entregues a aprazíveis conversas e afectuosamente saudados pela manhã e á noite. Ai!, demasiado tarde reconhecemos que já assim a cornucópia da fortuna nos presenteara.
… … …

Em meu entender, não são os sofrimentos desta vida, mas a sua alegria exuberante e a sua plenitude indomável que ao serem recordadas, nos fazem chegar as lágrimas aos olhos.

Ernst Jünger - Sobre as Falésias de Mármore “Auf Den Marmorklippen” 1939,
trad: Rafael Gomes Filipe, ed. Vega 1987


Follow by email