9.7.12

As Cidades Invisíveis


“Na vida dos imperadores há um momento… desesperado em que se descobre que este império que nos parecera a soma de todas as maravilhas é uma ruína sem pés nem cabeça, que a sua corrupção está demasiada gangrenada para que baste o nosso ceptro para a remediar, que o triunfo sobre os soberanos adversários nos faz herdeiros da sua longa ruína.”
(Italo Calvino, As Cidades Invisíveis, Lisboa, Teorema)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email