24.7.11

O estágio do espelho: "tu és isto."

Mas eu nunca me pareci com isto!

— Como é que você sabe?

Que é este "você" com o qual você se pareceria ou não? Onde tomá-lo?
Segundo que padrão morfológico ou expressivo? Onde está o seu corpo de verdade?
Você é o único que só se pode ver em imagem, você nunca vê os seus olhos, a não ser abobalhados pelo olhar que eles pousam sobre o espelho ou sobre a objectiva (interessar-me-ia somente ver os meus olhos quando eles te olham): mesmo e sobretudo quanto ao seu corpo, você está condenado ao imaginário.

Roland Barthes por Roland Barthes
São Paulo: Cultrix, 1977 - Tradução: Leyla Perrone-Moisés

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email