8.7.11

à memória do António


António Jorge Branco
(1937-2011)

a esta hora entre os blocos de prédios enevoados a bela mancha
diurna dos calceteiros na praça
e os dois amantes que hoje não dormiram vão partir nos braços da
sua estrela
à beira do caminho ladeado de sebes de espinheiro
uma carta
uma letra muito fina extremamente caligráfica
onde a aventura do homem que devolve as palavras que lhe são
remetidas
deixou a sua marca
e o duque da terceira levanta o braço
comentando seguido pelas aves que acordam a duzentos e mais
metros de altura
o que não é ainda a grande altura

sim sim

não são

quem sabe


dentro do grande túnel digo-te a vida

mário cesariny - corpo visível 1950


Há muitos anos, arranjámos uns dias e viajámos num citroen 2 cv para a região de Figueira de Castelo Rodrigo em busca de uma herança paterna do António.
Tinhamos esta coisa em comum: gostavamos de viajar e de gajas ...
— sabes uma coisa?
— diz.
— só há duas maneiras de viver
— ou vives feliz ou não
cruzámos o olhar e secretamente sorrimos em silêncio
— dás-me lume?

hoje fostes tu, um dia destes serei eu... talvez alguém se lembre de um ou dois dias passados não sei onde ou de uma ou outra confidência dita entre o fumo d'alguns cigarros e uns copos de vinho ... talvez alguém se lembre

— será que podemos morrer ainda que alguém se lembre de nós?


Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email