8.3.12

Arrecadação


ARRECADAÇÃO

Relógio combalido...
minutos eram muitos, tantos, tantos...
e os astros à lareira
aprendem a aquecer-se...

Quantos céus vieram acabar ali!...
e ali estão a enrubescer à chama
e ajeitando a manta nos joelhos...

— E daquela vez que Saturno inclinou de mais o anel?
— E quando passávamos por detrás da lua!
             Na terra toda a gente olhando,
             a querer em nós ler o segredo...

Relógio combalido...
minutos eram muitos, tantos, tantos...
e os astros à lareira
aprendem a aquecer-se
e riem, riem mansamente...

quantos céus vieram acabar ali...

— Há quem não conheça a Via Láctea...
— Sabes? Também lhe chamam Estrada-de-Santiago...
— Disseram-me que o outro dia um homem descobriu a minha idade...

riem todos, riem mansamente...
minutos eram tantos, tantos, tantos...

Da janela da arrecadação
vê-se trabalhar pelo infinito,
uns pouco firmes, outros decididos...

Agora mesmo, um Poeta escreveu que nós andámos no infinito...
e riem devagar como se me vissem muito perto.

No silêncio crepitou a lenha,
há nova cor e variação de brilho.
— Além atrás da porta...
— Ah sim! É uma foice...
muito antiga... muito antiga... Já não corta.

E os astros riem, riem mansamente...
Relógio combalido...
minutos eram muitos, tantos, tantos...

28/7/1940
Jorge de Sena - Perseguição

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email