14.5.11

outros mundos

Contanto que a poesia seja — continue a ser — um lugar onde ainda se pode respirar.jpg

“No fundo, o que me recuso a acreditar é que estejamos condenados.
Apesar dos prados envenenados, da lenta agonia dos rios e do mar.
Da atmosfera cada vez mais carregada das cidades.
Contanto que a poesia seja — continue a ser —
um lugar
onde ainda se pode
respirar”


Jorge de Sousa Braga

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email