31.5.10

Funeral Blues

Stop all the clocks, cut off the telephone,
Prevent the dog from barking with a juicy bone,
Silence the pianos and with muffled drum
Bring out the coffin, let the mourners come.

Let aeroplanes circle moaning overhead
Scribbling on the sky the message - He is Dead.
Put crepe bows round the white necks of the public doves,
Let the traffic policemen wear black cotton gloves.

He was my North, my South, my East and West,
My working week and my Sunday rest,
My noon, my midnight, my talk, my song;
I thought that love would last forever: I was wrong.

The stars are not wanted now; put out every one,
Pack up the moon and dismantle the sun,
Pour away the ocean and sweep up the woods;
For nothing now can ever come to any good.

W. H. Auden, Funeral Blues (1936)

Wystan Hugh Auden(1907-1973)
Funeral Blues, poema mundialmente famoso devido ao filme Quatro Casamentos e um Funeral, onde é recitado.
 Embora tenha sido primeiramente publicado na peça The Ascent of F6 em 1937, quando contava então com cinco estrofes, a versão definitiva foi publicada em 1938, quando Austin o reduziu às famosas quatro estrofes. A versão final foi escrita para ser cantada pelo soprano Hedli Anderson, daí o título.

22.5.10

Tempus Fugit

I've been thinking a lot about time lately. Precious moments with grand-nephews and great-grandmas, sisters and brothers, former students. Memories of Mrs. Bode my Latin Teacher of 45 years ago. As Fate would have it, she introduced me to the Moraie. And she taught me that "Ars longa; Vita brevis." Or as she playfully punned , "Tempus fidgets."

As I write this friends and colleagues across the world are in many different time zones. I can use tools such as this to establish what time it is where they are. But where are they psychologically in terms of time?

How is time perception different as a function of age? As a function of psychological state? Are there (cross) cultural differences? Cross-generational differences?

Walt and I used to talk about perceptions of the passage of time. He was indeed a giant of a person. Father Time. Photos can freeze time. I wonder what he was listening to on the radio? I'm sure he's listening right now surrounded by dogs.


The Songs of Tom Waits


Step Right Up: The Songs of Tom Waits (1995)

1. Drugstore - Old Shoes (6:28)
2. Tindersticks - Mockin' Bird (4:24)
3. Pete Shelley - Better Off Without a Wife (3:32)
4. The Wedding Present - Red Shoes by the Drugstore (2:30)
5. Violent Femmes - Step Right Up (6:29)
6. Alex Chilton - Downtown (4:52)
7. Archers of Loaf - Big Joe and Phantom 309 (4:11)
8. These Immortal Souls - You Can't Unring a Bell (5:50)
9. Jeffrey Lee Pierce - Pasties and a G-String (4:36)
10. Magnapop - Christmas Card from a Hooker in Minneapolis (4:25)
11. Dave Alvin - Ol' 55 (3:35)
12. Pale Saints - Jersey Girl (7:23)
13. Tim Buckley - Martha (3:15)
14. Frente! - Ruby's Arms (4:19)
15. 10,000 Maniacs - I Hope That I Don't Fall in Love with You (3:34)

New Coat of Paint: Songs of Tom Waits (2000)

1. Screamin' Jay Hawkins - Whistlin' Past the Graveyard (3:32)
2. Andre Williams - Pasties and a G-String (2:19)
3. Lydia Lunch / Nels Cline - Heartattack and Vine (5:03)
4. Knoxville Girls - Virginia Avenue (3:20)
5. Dexter Romweber's Infernal Racket - Romeo Is Bleeding (3:30)
6. Lee Rocker - New Coat of Paint (3:40)
7. Botanica - Broken Bicycles (3:45)
8. Preacher Boy - Old Boyfriends (4:42)
9. Sally Norvell - Please Call Me, Baby (5:06)
10. Carla Bozulich - On the Nickel (5:42)
11. Eleni Mandell - Muriel (3:55)
12. The Blacks - Poncho's Lament (4:27)
13. Neko Case - Christmas Card from a Hooker in Minneapolis (3:38)
14. Floyd Dixon - Blue Skies (3:06)


:: The Songs of Tom Waits ::

Password: p-l-m.blogspot.com


13.5.10

Gabriel O Pensador



:: Tás A Ver ::

:: Ao Vivo ::

PASSWORD - oneil


A la resistencia española / A la revolución mexicana

Rolando Alarcón / Inti-illimani
A la resistencia española / A la revolución mexicana
ASFONA / Hit Parade VBP 267 (1969)

Rolando Alarcón:
01 - La paloma
02 - Canción de Grimau
03 - A la huelga
04 - Coplas del tiempo
05 - El gallo rojo
06 - Canción de soldados

Inti-Illimani:
07 - Nuestro México, febrero 23
08 - La Valentina
09 - El Siete Leguas
10 - Soldado revolucionario
11 - La cucaracha
12 - La Adelita

:: A la resistencia española / A la revolución mexicana ::


11.5.10

Guernica

Bombardeamento de Guernica 26-04-1937

Não havia um só canhão de defesa em toda a cidade
Atiraram as bombas no mercado

I
Entra pela janela
o anjo camponês;
com a terceira luz na mão;
minucioso, habituado
aos interiores de cereal,
aos utensílios
que dormem na fuligem;
os seus olhos rurais
não compreendem bem os símbolos
desta colheita: hélices,
motores furiosos;
e estende mais o braço; planta
no ar, como uma árvore,
a chama do candeeiro.

II
As outras duas luzes
são lisas, ofuscantes;
lembram a cal, o zinco branco
nas pedreiras;
ou nos umbrais
de cantaria aparelhada; bruscamente;
a arder; há o mesmo
branco na lâmpada do tecto;
o mesmo zinco
nas máquinas que voam
fabricando o incêndio; e assim,
por toda a parte,
a mesma cal mecânica
vibra os seus cutelos.

III
Ao alto; à esquerda;
onde aparece
a linha da garganta,
a curva distendida como
o gráfico dum grito;
o som é impossível; impede-o pelo menos
o animal fumegante;
com o peso das patas, com os longos
músculos negros, sem esquecer
o sal silencioso
no outro coração:
por cima dele, inútil; a mão desta
mulher de joelhos
entre as pernas do touro.

IV
Em baixo, contra o chão
de tijolo queimado,
os fragmentos duma estátua;
ou o construtor da casa
já sem fio de prumo,
barro, sestas pobres? quem
tentou salvar o dia,
o seu resíduo
de gente e poucos bens? opor
à química da guerra,
aos reagentes dissolvendo
a construção, as traves,
este gládio,
esta palavra arcaica?

V
Mesa, madeira posta
próximo dos homens pelo corte
da plaina,
a lixa ríspida,
a cera sobre o betume, os nós,
e dedos tacteando
as últimas rugosidades;
morosamente; com o amor
do carpinteiro ao objecto
que nasceu
para viver na casa;
no sítio destinado há muito;
como se fosse, quase,
uma criança da família.

VI
O pássaro; a sua anatomia
rápida; forma cheia de pressa
que se condensa
apenas o bastante
para ser visível no céu,
sem o ferir;
modelo doutros voos: nuvens;
e vento leve, folhas,
agora, atónito, abre as asas
no deserto da mesa;
tenta gritar às falsas aves
que a morte é diferente:
cruzar o céu com a suavidade
dum rumor e sumir-se.

VII
Cavalo, reprodutor
de luz nos prados, quando
respira, os brônquios;
dois frémitos de soro; exalam
essa névoa
que o primeiro sol transforma
numa crina trémula
sobre pastos e éguas; mas aqui
marcou-o o ferro
dos lavradores que o anjo ignora;
e endureceu-o de tal modo
que se entrega;
como as bestas bíblicas;
ao tétano, ao furor.

VIII
Outra mulher: o susto
a entrar no pesadelo;
oprime-a o ar, e cada passo
é apenas peso: seios
donde os mamilos pendem,
gotas duras
de leite e medo; quase pedras;
memória tropeçando
em árvores, parentes,
num descampado vagaroso;
e amor também:
espécie de peso que produz
por dentro da mulher
os mesmos passos densos.

IX
Casas desidratadas
no alto forno; e olhando-as,
momentos antes de ruírem,
o anjo desolado
pensa: entre detritos
sem nenhum cerne ou água,
como anunciar
outra vez o milagre das salas;
dos quartos; crescendo cisco
a cisco, filho a filho?
as máquinas estranhas,
os motores com sede, nem sequer
beberam o espírito das minhas casas;
evaporaram-no apenas.

X
O incêndio desce;
do canto superior direito;
sobre os sótãos,
os degraus das escadas
a oscilar,
hélices, vibrações, percutem os alicerces;
e o fogo, veloz agora, fende-os, desmorona
toda a arquitectura,
as paredes áridas desabam
mas o seu desenho
sobrevive no ar; sustém-no
a terceira mulher; a última; com os braços
erguidos, com o suor da estrela
tatuada na testa.

Poema de Carlos de Oliveira, sobre Guernica de Picasso


Conta-se que um oficial das SS lhe perguntou, apontando para a pintura:
-Foi o senhor que fez isso?
Picasso respondeu:
-Não. Foi o senhor.

O quadro foi pintado para a Exposição Mundial de Paris, em 1937
Está hoje no Museu Rainha Sofia, em Madrid


"A minha é maior que a tua!"

10.5.10

Clarice Lispector





Clarice Lispector nasceu num navio, quando os seus pais imigravam da Ucrânia para o Brasil, e mesmo pisando solo brasileiro, o espírito de Clarice é livre, pois a sua nacionalidade é a do mar, a das águas que banham continentes e regram florestas e plantações.
Esta é uma singela homenagem a uma das maiores poetisas e escritoras da literatura brasileira. As suas palavras são do mundo ao mesmo tempo que são minhas, são tuas e de quem estiver pronto e disponível para se banhar nesse mar de poesias, sentimentos e palavras, como ela definiu nesta frase:
“Renda-se, como eu me rendi.
Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei.
Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”


Para todos aqueles que não tem medo de viver. Para ti, em especial.


8.5.10

Deixem-me em paz porra

25 de Abril Sempre

«Eu quero desnascer, ir-me embora, sem ter que me ir embora. Mãe, por favor, tudo menos a casa em vez de mim, outro maldito que não sou senão este tempo que decorre entre fugir de me encontrar e de me encontrar fugindo, de quê mãe? Diz, são coisas que se me perguntem? Não pode haver razão para tanto sofrimento. E se inventássemos o mar de volta, e se inventássemos partir, para regressar. Partir e aí nessa viajem ressuscitar da morte às arrecuas que me deste. Partida para ganhar, partida de acordar, abrir os olhos, numa ânsia colectiva de tudo fecundar, terra, mar, mãe... Lembrar como o mar nos ensinava a sonhar alto, lembrar nota a nota o canto das sereias, lembrar o depois do adeus, e o frágil e ingénuo cravo da Rua do Arsenal, lembrar cada lágrima, cada abraço, cada morte, cada traição, partir aqui com a ciência toda do passado, partir, aqui, para ficar... (...) Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois

José Mário Branco «FMI»

Imagem: 25 de Abril de 1974


O Caminho da Serpente

O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro;
viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".



"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"



- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente


o Papalagui nunca tem tempo

"O Papalagui nunca está contente com o tempo que lhe coube e censura o Grande Espírito o não lhe ter dado mais. Chega mesmo a blafesmar contra Deus e a sua grande sabedoria, dividindo e subdividindo cada novo dia que nasce [...] As várias partes têm todas elas um nome: segundo, minuto, hora [...] É uma coisa muito confusa que eu na realidade nunca percebi, pois me indispõe reflectir mais que o devido sobre questões tão pueris. O papalagui, no entanto, faz disso toda uma ciência. [...] Ao ouvir o barulho da máquina do tempo (os relógios de torre), queixa-se o papalagui assim: que pesado fardo, mais uma hora que passou! E ao dizê-lo mostra geralmente um ar triste [...] No entanto, logo a seguir principia outra hora! Como nunca fui capaz de entender isto, julgo tratar-se de uma doença grave! Como vivem obececados com o tempo, todos os papalguis sabem com exactidão quantas vezes nasceu o sol e a lua desde que viram pela primeira vez a luz do dia. [...] Reparei, muitas vezes, que eles, no meu lugar, se sentiam envergonhados quando, ao perguntarem-me que idade tinha, eu não era capaz de responder a tal pergunta, que só me dava vontade de rir! [...] Isto de se perguntar qual o número de Luas apresenta grandes perigos, pois foi assim que se acabou por determinar quantas luas dura em geral a vida de um homem. Ora aconteçe que cada um, sempre muito atento a isso, passadas que foram já inúmeras luas dirá: pronto! Não tarda que morra! Nada mais lhe causa alegria e, e facto, acaba por morrer daí a pouco tempo. [...] A meu ver é precisamente por o papalagui tentar reter o tempo com as mãos, que ele se lhe escapa como uma serpente em mão molhada. O papalagui nunca deixa que o tempo venha ao seu encontro. [...] Oh meus queridos irmãos! Nós nunca nos queixamos do tempo [...] Se algum de nós há aí que a quem falte tempo, diga! [...] Sabemos que atingiremos o nosso alvo, e que muito embora ignoremos quantas luas se passaram, o Grande Espírito nos chamará quando lhe aprouver. [...] Devemos curar o papalagui da sua loucura e desvario, para que ele volte a ter noção do verdadeiro tempo que tem perdido."

Follow by email