8.8.13

Gogo No-Eiko




Digo-te uma coisa, no entanto: por mais tempo que se passe no alto mar, nunca conseguimos habituar-nos às tempestades. Quero dizer que de todas as vezes que se está no meio duma, pensamos que chegou a nossa vez. E olha que no dia anterior a esta, o pôr-do-sol parecia mesmo um incêndio, o vermelho do céu estava tingido de negro e a água do mar tinha ficado calma de repente, como um lago. Eu tinha a sensação de que ia passar-se qualquer coisa.

Yukio Mishima ~ O marinheiro que perdeu as graças do mar, Assírio&Alvim 1985
The sailor who fell from grace with the sea

photo: Pedro Luis Raota

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email