6.9.12

ó gato


Que fazes por aqui, ó gato?
Que ambiguidade vens explorar?
Senhor de ti, avanças, cauto,
meio agastado e sempre a disfarçar
o que afinal não tens e eu te empresto,
ó gato, pesadelo lento e lesto,
fofo no pêlo, frio no olhar!

De que obscura força és a morada?
Qual o crime de que foste testemunha?
Que deus te deu a repentina unha
que rubrica esta mão, aquela cara?
Gato, cúmplice de um medo
ainda sem palavras, sem enredos,
quem somos nós, teus donos ou teus servos?

Alexandre O'Neill

Hermann Hesse
Aldous Huxley
Allen Ginsberg (1960)
Jack Kerouac
 
William Burroughs
 
Henri Matisse
 
Doris Lessing
 
Henry Cowell
 
Ingrid Bergman
  
Edy Williams
 
(1908)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email