6.8.12

o último poema.



É talvez o último dia da minha vida.
Saudei o Sol, levantando a mão direita,
Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus,
Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada.


                                   Alberto Caeiro

(dictated on the day of his death)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email