27.5.12

Soneto


Não lamentes, Alcino, o teu estado,
como tem sido muita gente boa,
corníssimos Fidalgos tem Lisboa,
milhões de vezes Cornos têm reinado.

Siqueu foi corno, e corno de um soldado,
Marco António por corno perdeu a Coroa
Anfitrião com toda a sua proa
na fábula não passa por honrado.

Um rei Fernando foi cabrão famoso,
segundo antiga letra de gazeta
entre mil porras expirou vaidoso.

Tudo no mundo vai sujeito à greta.
Não fique mais, Alcino, duvidoso
pois isso de ser corno é tudo peta.


José Anselmo Correia Henriques (1777-1831) In Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica
Lisboa: Frenesi/Antígona, 2000 Selecção, prefácio e notas por Natália Correia 


(Notas Galantes ou Coleção de Asneiras, manuscrito em poder de Luís Keil, copiado por Cardoso Marta.)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Follow by email