30.10.10

Jazz and cigarrettes

Ray Bryant Trio´ - Label: Prestige 7098 12" LP 1957

Design: Reid Miles - Photo: Esmond Edwards

Hank Mobley and his All Stars - Label: Blue Note 1544 12" LP 1956

Design: Reid Miles - Photo: Francis Wolff

Zoot Sims in Hollywood - Label: New Jazz 1102 10" LP 1954

Photo: William Claxton

Charles McPherson: Bebop Revisited - Label: Prestige 7359 12" LP 1964

Design and photo: Don Schlitten

Booker Ervin: The Freedom Book - Label: Prestige 7295 12" LP 1963

Design and photo: Don Schlitten

Red Garland: High Pressure - Label: Prestige 7209 12" LP 1961

Design: Don Schlitten - Photo: Esmond Edwards


28.10.10

AOS 50 ANOS...

«AOS CINQUENTA ANOS...»

Aos cinquenta anos sou um ser perplexo,
não como aos vinte, aos trinta, ou aos quarenta,
mas radicalmente perplexo. Não sei
se amo a vida ou a detesto. Se desejo
ou não desejo continuar vivendo.
Se amo ou não amo aqueles que amo,
se odeio ou não odeio os que detesto.
Se me quero patriarca, pai de família, como acabei sendo,
ou se me quero livre pelas ruas nocturnas
como quando não acabei de descobri-las
em décadas de andá-las, perseguindo
sequer o amor mas corpos, corpos, corpos.
Sou de Europa ou de América? De Portugal
ou Brasil? Desejo que toda a humanidade
seja feliz como queira, ou quero que ela morra
do cogumelo atómico prometido e possível?
Não sei. Definitivamente, não sei.
Julgas que estou deitado num leito de rosas?
— perguntava ao companheiro de tortura Cuauhtemoc.
Mas, mesmo destituído, preso, e torturado,
ele era o Imperador, descendente dos deuses.
Eu não descendo dos deuses. O corpo doi-me,
que envelhece. O espírito doi-me de um cansaço físico.
As belezas de alma, seja de quem forem, deixaram de interessar-me.
Resta a poesia que me enoja nos outros
a não ser antigos, limpos agora do esterco
de terem vivido. E eu vivi tanto
que me parece tão pouco. E hei-de morrer
desesperado por não ter vivido. Aos 50 anos
nem sequer a raiva dos outros ainda me sustenta
o gosto e a paciência de estar vivo.
Outros que tentem e descubram:
que digam ou não digam é-me indiferente.

Junho 15, 1970

Jorge de Sena (Lisboa, 1919 - Santa Barbara, California, 1978)

40 anos de Servidão (Jorge de Sena). Círculo de Poesia. Moraes Editores, 2ª edição revista, 1982.

Graffiti


Numa rua do Rio de Janeiro

Imagine Peace Box

Today's MP3 album deal of the day on Amazon is John Lennon's Imagine for 2.99.
Maybe the only song you know on it is Imagine, maybe not.

Há muito tempo já que não escrevo um poema

Há muito tempo já que não escrevo um poema 

De amor. 

E é o que eu sei fazer com mais delicadeza! 

A nossa natureza 

Lusitana 

Tem essa humana
Graça 

Feiticeira
De tornar de cristal
A mais sentimental 

E baça

Bebedeira. 


Mas ou seja que vou envelhecendo
E ninguém me deseje apaixonado, 

Ou que a antiga paixão 

Me mantenha calado 

O coração 

Num íntimo pudor, 

— Há muito tempo já que não escrevo um poema 

De amor. 



Miguel Torga, in 'Diário V'

Think Different

Imagine



Peace and cigarrettes

Strawberry Fields Forever

24.10.10

O sonho

O sonho

Sonhe com aquilo que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
que aparecem em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passaram por suas vidas.

Clarice Lispector

Manel Armengol, Terrae

Islândia, 2003

© Manel Armengol

Esta fotografia funcionou para mim como núcleo definidor da minha primeira viagem à Islândia, uma viagem totalmente solitária, durante 12 dias. A maior parte do tempo, estive em silêncio, sozinho. Para mim, esta condição foi fundamental, porque a relação que estabeleci entre mim e o mundo exterior acabou por ser fortíssima…
Era para mostrar apenas a montanha do vulcão. Estava a entardecer, já havia pouca luz, mas em Julho nunca anoitece completamente, há sempre alguma luz. E assim de repente, ao vê-la de longe… gosto de tudo o que são cosmogonias, relatos antigos das origens… pareceu-me uma mesa ritual no meio da planura… uma ideia que me surgiu como uma aparição – uma mesa ritual natural: ‘vou parar aqui’, pensei. Estava tudo enevoado. ‘vou esperar para ver se aparece uma luz especial, alguma coisa’, pensei. Estava um vento tremendo, ao ponto de ter de me proteger por trás do carro para não ser atirado para o chão. Tinha a câmara e o tripé preparados. Esperei uma meia-hora até que esta luz se definisse. Foi uma emoção… estava à espera que acontecesse alguma coisa que efectivamente aconteceu… alguma coisa que era muito improvável que acontecesse, mas que acabou por acontecer… foi um momento mágico, fundamental, foi a imagem que sustentou todo o trabalho da primeira viagem. Recordo-me de ter pensado que estava perto de um antigo vulcão e da sua chaminé e de pensar que ia a até ao centro da terra… lembrei-me também da lava e das cosmogonias do axis mundi… o que é que existe entre o céu e o centro da terra? Surgiu-me esta pergunta enquanto esperava.

Manel Armengol, Terrae
Galeria Pente 10, Trav. da Fábrica dos Pentes, 10, Lisboa,

22.10.10

Nozolino recusa Prémio AICA/MC

Paulo Nozolino
© Paulo Pimenta/PÚBLICO


Paulo Nozolino recusou o Prémio da Associação Internacional de Críticos de Arte/Ministério da Cultura (AICA/MC) 2009 em protesto pelo “comportamento obsceno e de má-fé” na actuação do Estado na Cultura.
Nozolino só ficou a saber as condições em que viria a receber o galardão um dia depois da cerimónia de entrega, que decorreu em 29 de Junho, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, em Lisboa.
Em declarações ao Público, disse ter aceitado o prémio “por delicadeza” e revelou que tentou informar-se, sem sucesso, sobre as condições em que o valor lhe seria atribuído. Os serviços administrativos do MC comunicaram-lhe então que sobre o valor dos 10 mil euros de prémio, ser-lhe-iam retirados 10 por cento de IRS. Ainda segundo o Público, na mesma mensagem dos serviços administrativos da Direcção-Geral das Artes, era-lhe ainda pedido que preenchesse uma nota de honorários e exigido que apresentasse certidões da situação contributiva, para a Segurança Social, e tributária, junto das Finanças. Perante esta situação, o fotógrafo decidiu recusar o prémio pelo que considerou ser “um comportamento de má-fé do Estado português”.

O comunicado de Paulo Nozolino na íntegra:

“Recuso na sua totalidade o Prémio AICA/MC 2009 em repúdio pelo comportamento obsceno e de má fé que caracteriza a actuação do Estado português na efectiva atribuição do valor monetário do mesmo. O Estado, representado na figura do Ministério da Cultura (DGARTES), em vez de premiar um artista reconhecido por um júri idóneo pune-o! Ao abrigo de “um parecer” obscuro do Ministério das Finanças, todos os prémios de teor literário, artístico e científico não sujeitos a concurso são taxados em 10% em sede de IRS, ao contrário do que acontece com todos os prémios do mesmo cariz abertos a candidaturas.

A saber:
Quem concorre para ganhar um prémio está isento de impostos pelo Código de IRS.
Quem, sem pedir, é premiado tem que dividir o seu valor com o Estado!


Na cerimónia de atribuição do Prémio foi-me entregue um envelope não com o esperado cheque de dez mil euros, como anunciado publicamente, mas sim com uma promessa de transferência bancária dessa mesma soma, assinada por Jorge Barreto Xavier, Director Geral das Artes. No dia seguinte, depois do espectáculo, das luzes e do social, recebo um e-mail exigindo-me que fornecesse, para que essa transferência fosse efectuada, certidões actualizadas da minha situação contributiva e tributária, bem como o preenchimento de uma nota de honorários, onde me aplicam a mencionada taxa de 10%, cuja existência é justificada pelo Director Geral das Artes como decorrendo de um pedido efectuado por aquela entidade à Direcção-Geral dos Impostos para emitir “um parecer no sentido de que, regra geral, o valor destes prémios fosse sujeito a IRS”.

Tomo o pedido de apresentação das certidões como uma acusação da parte do Estado de que não tenho a minha situação fiscal em dia e considero esse pedido uma atitude de má fé. A nota de honorários implica que prestei serviços à DGARTES. Não é verdade. Nunca poderia assinar tal documento.

Se tivesse sido informado do presente envenenado em que tudo isto consiste não teria aceite passar por esta charada.

Nunca, em todos os prémios que recebi, privados ou públicos, no país ou no estrangeiro, senti esta desconfiança e mesquinhez. É a primeira vez que sinto a burocracia e a avidez da parte de quem pretende premiar Arte. Não vou permitir ser aproveitado por um Ministério da Cultura ao qual nunca pedi nada. Recuso a penhora do meu nome e obra com estas perversas condições. Devolvo o diploma à AICA, rejeito o dinheiro do Estado e exijo não constar do historial deste prémio.”

Paulo Nozolino, 1 de Julho de 2010

Beyond Word : Bobby McFerrin

Bobby McFerrin : Beyond Word : 2002
Mp3 : 320kbps : 130MB


Download

Depositfiles.com
Hotfile.com

21.10.10

Scope Calculator


Licence: Free
Developer: Neale Monks


Download

Mac OS X - Windows

DESCRIPTION
Scope Calculator helps you calculate and compare the magnification, field of view, and exit pupil of different eyepieces when used with a given telescope.

Scisoft - An Astronomical Software Collection





Licence: Free
Developer: Scisoft OS X Team
: ESO - The Scisoft Software Collection

Download (620 MB) for Mac OS

DESCRIPTION
Scisoft is a project within the European Southern Observatory to provide a uniform collection of astronomical software packages (eg, Pyraf, IRAF, STSDAS, ESO-MIDAS).
Scisoft for Mac OS X is modeled after the ESO Scisoft project but is not an official Scisoft release and is neither associated with ESO, STScI, nor NOAO.
This software is for scientists and professionals.

Stellarium



Licence: Free
Developer : The Stellarium Project

Download
Open source desktop planetarium.

DESCRIPTION
Stellarium is an open source desktop planetarium. It renders the skies in realtime using OpenGL, which means the skies will look exactly like what you see with your eyes, binoculars, or a small telescope. Stellarium is very simple to use, which is one of its biggest advantages: it can easily be used by beginners.

Stellarium renders 3D photo-realistic skies in real time with OpenGL. It displays stars, constellations, planets, nebulas and others things like ground, landscape, atmosphere, etc.



Sky Chart / Cartes du Ciel

For use with Linux, Windows, Mac OS X (Intel)

Sky Chart is a free software to draw charts of the night sky for the amateur astronomer from a bunch of stars and nebulae catalogs.
Show the position of the planets, simulate any eclipse or look at the artificial satellite. It can also drive the telescope.


Licence : Free
Developer: Patrick Chevalley

Download (14 MB)

19.10.10

o Universo zen

«A nossa mente não é capaz de compreender o Universo.
É como se fossemos crianças pequenas a entrar numa enorme biblioteca. Uma biblioteca onde as paredes estão cobertas de livros em línguas diferentes até ao tecto. A criança sabe que teve de haver alguém que tenha escrito estes livros mas não sabe quem foi ou como o fez nem consegue perceber todas as línguas em que estão escritos. Consegue sim perceber que existe um plano na disposição dos livros, uma ordem misteriosa a qual não consegue compreender mas apenas suspeitar.»

Ancient Astronomy


Ancient Astronomy: An Encyclopedia of Cosmologies and Myth

Astronomy is the oldest of the physical sciences. In many early civilizations the regularity of celestial motions was recognized, and attempts were made to keep records and predict future events. The first practical function of astronomy was to provide a basis for the calendar, the units of month and year being determined by astronomical observations. Later, astronomy served in navigation and timekeeping. The Chinese had a working calendar as early as the 13th cent. B.C. About 350 B.C., Shih Shen prepared the earliest known star catalog, containing 800 entries. Ancient Chinese astronomy is best known today for its observations of comets and supernovas. The Babylonians, Assyrians, and Egyptians were also active in astronomy. The earliest astronomers were priests, and no attempt was made to separate astronomy from astrology. In fact, an early motivation for the detailed study of planetary positions was the preparation of horoscopes.

:: DOWNLOAD ::

17.10.10

Instante


Deixai-me limpo
O ar dos quartos
E liso
O branco das paredes
Deixai-me com as coisas
Fundadas no silêncio

Sophia de Mello Breyner Andresen


Follow by email