12.10.15

ETHOS


Nas palavras em que o sufixo «ismo» deve representar um reforço, observa-se uma certa pretensão,uma tendência voluntarista e com frequência uma hostilidade a priori. O movimento torna~se tumultuoso à custa da substância. São palavras para sectários, para aqueles que só leram um livro, para aqueles que «juram fidelidade à sua bandeira e se mantêm incondicionalmente seus adeptos», em resumo, para os tipos de representantes e viajantes em lugares-comuns. Acaba quase sempre triste uma conversa com alguém que se apresente como realista. Tal como o idealista em relação à ideia e o egoísta em relação ao eu, aquele tem concepção limitada das coisas. Rotula-se a liberdade. O mesmo se aplica à relação do anarquista para com a anarquia.
Numa cidade onde afluam trinta anarquistas, anunciam-se incêndios e mortes, precedidos de palavras de ordem obscenas. Quando nela habitam trinta anarcas que nem sequer se conhecem, pouco ou nada acontece; a atmosfera purifica-se.
Em que se baseia o erro, pelo qual tantos se sacrificaram e que continuará eternamente a actuar? Se eu matar o meu pai, caio nas mãos do meu irmão. Não se deve esperar da sociedade mais do que do Estado. A salvação está no indivíduo.

O anarca não deve de modo algum, pensar como um progressista. É este o erro do anarquista, e é assim que as rédeas lhe escapam das mãos.

Aqui, registamos mais uma diferença entre o anarquista e o anarca: o anarquista persegue o príncipe como seu inimigo de morte, ao passo que o anarca assume perante ele uma relação de neutralidade objectiva. O anarquista quer matar o rei, enquanto o anarca sabe que o poderia matar … mas para tal teria de haver razões, não de ordem geral, mas pessoais. Se o anarca é simultaneamente historiador, então o monarca representa para ele uma fonte de primeira grandeza

O anarca pode fazer frente ao monarca despreocupadamente, pois sente-se igual a todos, mesmo entre reis. Este estado de espírito fundamental transmite-se ao príncipe, que sente que o observam sem preconceitos. Surge assim uma benevolência mútua, favorável à conversa.


Ernst Jünger, Eumeswil. ed. Ulisseia


Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by email