14.1.13

o tabaco da vida



Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
....


Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada,
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.

Outras vezes oiço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

...

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.

O que for, quando for, é que será o que é.
...

Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,

Não há nada mais simples.
Tem só duas datas – a da minha nascença e a da minha morte.

Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa, Obra Poética e em Prosa, ed. António Quadros. Porto, Lello & Irmão, 1986.

2 comentários:

  1. Continue meu amigo. Você ficou calado por um tempo. Nós sentimos a falta de poemas belos como este e das fotos em negro e branco. Tudo de bom!

    ResponderEliminar
  2. Concordo integralmente com o comentário acima. Precisamos de vida inteligente a nos iluminar a vida.

    ResponderEliminar

Follow by email